Pesquisar este blog

Follow by Email

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Vi e não gostei. Mas demorei menos que Marina, pra sair!


Continuando a série de motivos que me fizeram agir radicalmente, “jogar no ventilador” e revelar todos os motivos pelos quais estou saindo do PSDB, agora, vou explicar o meu caso com o diretório municipal do Rio de Janeiro.

“Estrela” da extinta Rede Mobiliza, eu fui muito elogiada, graças, e agradeço a cada um dos maravilhosos que admirou o meu trabalho. Foi lindo, foi uma campanha deliciosa, porque eu estava de fora. Não via a movimentação dentro do partido. Recebia ordens e só! Nós criávamos, nós inovávamos, mas eu não era política, eu era mobilizadora social num momento de eleição presidencial.

Eu sou uma pessoa considerada pela maioria como muito agitada, “acelerada”. Não sou diferente no trabalho! Frequentemente, estou fazendo duas ou três coisas ao mesmo tempo e consigo até eficiência nelas. Se não sei, vou procurar saber. Se sei e ninguém mais sabe, ensino ou faço, sou interessada e gosto MUITO de aprender. De tudo, quase!

Trabalhei na Rede Mobiliza PARA eleger José Serra presidente! Acreditei e acredito que ele merecia ter sido eleito. É um belíssimo gestor! Tem um sem número de defeitos que eu até já tive oportunidade de expor para ele, como a péssima mania de parecer que gosta de perder eleição! Entre outras coisinhas.
Enfim, trabalhei como trabalhei para eleger Serra porque acredito na capacidade dele! Gostaria de ser representada por ele. Já fui representada por ele em São Paulo e isso foi bom, na minha opinião. Estava lá de alma, a ponto dos colegas dizerem que nunca viram paixão tão grande por Serra.

Só que eu sou um pouco diferente. Eu me apaixono não pelo político, porque é bonzinho, ou carismático, ou amo suas idéias. Eu me apaixono pela causa de eleger aquele que eu acho que tem os melhores atributos para o Brasil. Serra até me irrita, frequentemente, mas eu gosto dele por tudo que disse aí.

Eis que o PSDB carioca me descobriu e me convidou para fazer parte do que eles disseram para mim que seria “uma nova política! Um novo plano de fazer política, inovador , sólido e com honestidade!” além de ser social democracia, né!

Assinei aquela ficha branca com orgulho e alegria e fui! De alma, corpo, cabeça, fazer de tudo que eu via que podia fazer pelo partido em que eu acreditava! Frequentei todas as reuniões que pude, articulei, planejei, doei idéias, fui para as ruas militar, dei centenas de telefonemas, mandei várias mensagens...tudo que eu via que eu podia fazer e era grande e era PSDB, lá estava eu.

Dei projetos que eu criei, dei palestras gratuitamente sobre o que eu mais sabia fazer, que era mobilização em Rede Social (Rede Mobiliza, certo?), dei mão de obra em eventos...tudo acreditando naquele projeto.
No meio do caminho, algumas verdades que eu não queria ver, começaram a aparecer. Como, por exemplo, o choque de perceber a ganância de MUITAS pessoas, não só por dinheiro mas por status! Status, não poder! Só ter o nomezinho ali para dizer que manda em alguma coisa, sabem como é?

Tive a ótima oportunidade, durante uma época, de estar bem no meio do jogo pelo status e pelo poder, mas de fora, organizando estruturas, vendo as baixarias acontecendo. Um não era respeitado pelos outros, apesar de eu achar um cara “bonzinho”, porque diziam que era menos eficiente e que só tinha poderes ali porque era filho de eleito. O outro fazia aliança com o diabo, tentou passar a perna na Rede Mobiliza, e tudo que faz pelo partido é recebendo dinheiro. Do outro lado, tinha um pessoal que eu achava que era mais competente, mas que depois fui perceber que não. E entre eles,  que deveriam ser PARCEIROS, usando o que tinham de melhor para fortalecer o partido, acontece uma briga de foice por poder e chegando ao fundo do poço com circulação até de dossiê, fabricação de delegado, assinatura falsa..parecia briga de bandido de morro pelo controle do tráfico! E era partidário, brigando entre si! Doeu!

Um dia, antes disso tudo, ouvi de dois membros da juventude tucana que estavam de saída para uma reunião secreta com um partido da situação. Eu, embasbacada, perguntei: “Mas o que é isso? Como assim? ELES?”. Resposta?: “Tudo é dinheiro! Se me pagarem, tá valendo!”.

Às vezes, eu demorava uma meia hora para me recuperar de choques como esses. AGORA?
Foi aí que surgiu a decisão de sair, porque agora, eu nem me espanto mais! Eles são assim mesmo!

E se eles são assim mesmo, eu vou citar a frase do cara que mais me decepcionou na juventude partidária, que me disse uma vez: “Se você está fazendo política por amor, você está fazendo pelos motivos errados!”.

E é NESSE partido que querem que eu permaneça?

Respondendo à pessoa que me mandou um tweet, dizendo que “Falando assim, parece até que só você trabalha!”, pelo perfil @psdbrj, que eu sei quem administra, mas bloqueei assim mesmo:  Não, não sou só eu que trabalho! Mas quem MAIS trabalha hoje, pelos MELHORES motivos no PSDB, é que está mais massacrado, esquecido, sem moral, sem apoio e sem perspectiva. Você é uma pessoa que trabalha e eu sei que trabalha bem, mas eu estou generalizando, sim! Porque para falar de partido político, não posso citar um a um.
E eu, já não venho trabalhando para o PSDB ou pelo PSDB há um bom tempo, porque me manter candidata, já foi tudo que eu podia fazer!

Com sinceridade,

Filhinha de Papai

Não sou mais filiada. Não devo fidelidade a partido!


Agora vai!

Vou começar explicando, depois vou contar o resto.
Minha vida de “Filhinha de papai” que é um dos motivos pelos quais o blog leva esse nome, nunca foi exatamente de “Filhinha de Papai”, em alguns sentidos. Não me faltou nada, mas papai era classe média esforçado e mamãe professora do Estado de São Paulo.

Eu, sou a terceira e última filha, e nasci 10 anos depois do segundo. Portanto, eu era mais nova do que quase todos que eu conhecia. Vivi um mundo mais dividido com os “adultos”, por conta disso.
Provavelmente por este motivo, vi muito, pela televisão, na década de 80, programas jornalísticos. Que tinham até pouco conteúdo nacional para mostrar e acabavam passando bastante as situações de fome, miséria e doença ocasionadas pelas guerras civis africanas. De nacional, tinha muita imagem de seca no Nordeste, chão rachado sem chuva há meses, crianças doentes, aqueles índices enormes de mortalidade infantil por desnutrição e doenças endêmicas que já não existiam no resto do país. Doeu, e lá no passsado, eu já não conseguia lidar como expectadora com questões como essas,  vendo gente capaz de ajudar e sem querer ajudar.

Virei militante, cedinho! Com 6 anos, praticava assistencialismo , se querem assim chamar, porque reunia de tudo para quem eu via que não tinha nada. Com 11, em 1990, passei a me juntar a grupos de jovens militantes mais velhos do que eu, mas que eu via que estavam lutando por justiça e decência no país.
Aos 19 (no meu ano com 18 não houve eleição), virei cidadã, passei a usar meu direito (dever, no nosso caso) de voto. 1998 e eu fui saltitante e honradíssima votar em Fernando Henrique Cardoso. Tinha lamentado muito não ter feito isso em 94, por impedimento legal, uma vez que eu tinha só 15 anos. Mas discuti e debati muito com meus pais, irmãos e demais próximos que podiam votar e me falar sobre política.
Escrevi essa parte, da minha história, para mostrar que se fiz política, se tentei fazer, se lutei por ela, foi porque nasci na época que mais produziu mudanças. Sou de 79, início da “redemocratização” e se hoje sou chamada e tão reconhecida como democrata, deve ser porque eu estava nascendo enquanto ela estava voltando ao Brasil.

Gritei por “Diretas já”, sim, mas ali eu não posso dizer que sabia EXATAMENTE o que estava gritando! Mas eu achava que se tanta gente da população estava pedindo aquilo, era porque nossa vida ia mudar para melhor.Hoje, estudando mais, percebi que o que me movia muito era a tal “legitimidade”. Ora, se tanta gente pedia, devia ser o bem comum.

Sem saber que o conceito de comum, morreu antes de eu nascer!

História contada, eu preciso dizer que tudo isso me moveu nas lutas que abracei, achando que aquelas causas que eu carregava, ou aqueles políticos que eu promovia, salvariam nosso povo, devolveriam nosso sentimento de nação. Errei! Errei de causa, errei de político, errei de método. Mas acertei muito, também! E vi que acertei mais comigo mesma, quando parei para refletir e achei a MINHA verdade.

Ex-candidata tentando mostrar ao povo que campanha nos moldes atuais é nocivo para a nação, protestei muito, mas para isso, eu precisava duma sigla partidária atrás de mim. Não é possível, no Brasil, ser candidato a um cargo legislativo ou majoritário, sem fazer parte de uma sigla partidária.

E foi por isso que acabei permanecendo filiada ao partido que me encantava há muito, o PSDB. Mas minha “briga” interna no PSDB data de antes dos registros das candidaturas. E se eu estava tão errada em minhas “brigas internas”, por que foi que ME PEDIRAM (é, me pediram! Não fui eu pedir para ser candidata, não! O partido precisava de mim por conta da idiotice de cotas de 30% para mulheres) para ser candidata? Eles sabiam que eu estava chegando bem perto do meu limite com o que condeno no PSDB: protecionismo interno.

No dia 8 de Outubro, um dia depois das eleições municipais, aquela que estava candidata e perdeu (feio para uns, porque fiz só 79 votos, mas bonito para mim, porque 79 votos sem campanha e sem gastar UM real, não é para qualquer um), apresenta ao TRE do Rio, ao presidente nacional do PSDB e ao presidente do diretório municipal do PSDB Rio de Janeiro. Seu pedido de desfiliação.
Parece que eu estou pedindo desfiliação porque estou magoada com o partido porque eu fiz só 79 votos, não é?

Compreendo perfeitamente quem pensa assim e não condeno! EU estou dando motivo para este tipo de raciocínio. Mas ontem, 09 de outubro, junto com a publicação da imagem da carta de desfiliação, eu publiquei meia dúzia de motivos que estavam me estimulando, para o povo no twitter, onde temos 140 caracteres.
Um deles levantou a fúria de uma militância que, na minha opinião, erra exatamente por isso: não pára para pensar. Depois do senador citado em uma das motivações, havia uma segunda pessoa que poderia ter ficado mais ofendido do que ele mesmo, ainda! Mas esta pessoa, entendeu que eu não atacava o senador, mas sim, este hábito novo psdebista de ficar apertando mãos e tirando fotos com integrantes da situação que só nós fazem enganar. Eu deixei claro que estava decepcionada não porque VI, mas porque me disseram que viram e eu fiquei dolorida. E quem foi sensato e conseguiu abrir o olho, entendeu. O moço que poderia ter se ofendido demais, ainda está ajudando no sentido de me fazer enxergar a imprensa que é informativa, da que é manipuladora. Achei lindo!

Lavagens de roupa suja no twitter à parte, eu estava enumerando os motivos pelos quais saí do PSDB. Por lá, parei, porque 140 caracteres dão margem à muita confusão por erros de interpretação ou expressão. Aqui, sou livre, tenho mais letras, mais espaço para ser mais clara e, quem quiser, tem espaço livre para me atacar por aqui também!

ISSO é Democracia. Uns gostam de determinados métodos de legislação e gestão, e outros aprovam outros. Como não é possível agradar a todos, todos se expressam e vale a vontade da maioria. Correto?
Adoro! E vou continuar defendendo o exercício da democracia, mas não a deturpação dela!

Em mais posts como esse, explico, inclusive, porque não quero mais nem CONVERSAR, com o PSDB carioca! Mas deixo claro: estou muito agradecida e orgulhosa por cada um de meus votos! Menos o meu, então, contemos aí 78 motivos de emoção para mim.

Verdadeiramente eu,

Filhinha de Papai

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Proposta 5: Porque ninguém gosta de vira lata!

Sim, senhores! Está na moda dizer que é "candidato dos animais" e mais na moda ainda, pedir hospital público para animal!

Moda, em voga, completamente atual, o assunto do abandono animal e dos maus tratos finalmente chegou às Redes Sociais e agora todos os dias eu vejo umas 8 fotos de animais diferentes precisando de ajuda.

Antes das Redes Sociais não acontecia?
Claro que acontecia! Eu mesma tive um cão para livrar um amigo dum problema de uma ninhada surpresa antes que ele pudesse castrar a pobre cadelinha. Vamos lá, pegar um labrador, sim, mas adotado!
O cachorro, puro, labrador, filho de mãe "Chocolate" (o recessivo da raça) e pai caramelo (o dominante heterozigoto, menos "seguro" geneticamente que os pretos, que são dominantes). Faleceu aos 5 anos, vítima de câncer.

Hoje eu tenho outro. Um cocker spaniel inglês, que "adotei", porque meu marido e sua ex fizeram a gentileza de comprar um cachorro de raça. Eu não sou contra os cachorros ditos de raça, eu não sou contra NENHUM cachorro! Muito pelo contrário, posso ser considerada uma das "chatas" daqueles protetores, mas eu gosto demais de bicho mesmo! Pronto!
Meu neguinho do coração, Bilbo, tem problemas genéticos. Nada grave, mas tem! Raça pura.
Questão que se fosse eu a colocar um bichinho aqui na minha família, eu teria adotado um vira-lata abandonado. Jamais teria comprado um cachorro controlado geneticamente.

Alguém aí assistiu ao excelente documentário veiculado pelo canal "Animal Planet", do grupo Discovery Channel, intitulado em Português "Os segredos do Pedigree"? É de doer até coração inexistente!
O documentário mostra simplesmente o que estamos fazendo por puro capricho: animais controlados, modificados, forçadamente cruzados entre os de sua própria raça, recebendo esta herança de "raça pura" de gerações e gerações e gerações anteriores. Até que de tanto cruzarem genes sem seleção natural, de raças iguais que tendem a ter as mesmas doenças genéticas, a ganância dos criadores e a loucura dos que se dizem "amantes de animal" mas gastam 5 mil reais num amigo, estão produzindo animais cada dia mais doentes e com doenças cada vez mais graves.

O que seria natural de se esperar de um animal dito irracional? Eles, por instinto de fortalecimento da ESPÉCIE, porque eles não se reconhecem por raça, procuram o parceiro para reprodução que for mais diverso. É natural! Quanto mais diferente dele, o outro animal oferece menos riscos de filhotes doentes e fracos.
Não é lindo? Harmônico? A Natureza agindo como deve e tudo dando certo?

Aí vem o bicho homem, suas maluquices de querer cachorro para mostrar aos outros que é poderoso, ou para dar vazão à própria futilidade, e começa a controlar os bichinhos para ficarem todos iguaizinhos, como se fosse linha de produção industrial, e poder armar estratégias para vendê-los a milhares de reais, enquanto tem uma quantidade chocante de animais tão perfeitos (ou mais, porque são geralmente mais saudáveis geneticamente) quanto os iguaizinhos, abandonados por aí, precisando de cuidados e amizade.

E eis que o cachorro é carérrimo, chiquérrimo, que viajou diretamente da Micronésia, porque a tal "raça" só existe por lá e o cachorro "vale" 15 mil reais. Mas é uma cadela. A pessoa não castrou. Deixou no quintal cercado, mas aquele safado do vira-latinha da vizinha é ágil e passou por baixo do portão! Você JAMAIS imaginou que aquele bicho conseguisse passar por ali, não é? Mas ele está agindo por instinto e VAI entrar! Depois, não consegue sair, justamente porque está satisfeito e menos motivado.

Então, sua cadela de 15 mil reais que é vidrada num vira-latinha, porque ela sabe que é ele que vai garantir a saúde dos filhotes dela, ficou prenhe! E você, agora, está diante de 10 lindos vira-latinhas da sua carérrima cadela. 10 que NINGUÉM QUER (porque, provavelmente, seus amigos são tão elitistas "caninamente" quanto você).
Você, para se livrar do problema, deixa a ninhada inteira na porta da Suípa ou do primeiro abrigo que encontrar. Ou, mais comum ainda, nas calçadas das ruas, mesmo! Mas longe das suas calçadas, claro! Porque você não quer se lembrar que teve esse problema.
Os que não forem mortos logo cedo por inanição, frio, atropelados ou afins, crescerão. E se tornarão o vira lata magrelo que te incomoda porque não sai do seu pé na porta do barzinho maneiro, ou que te incomoda porque você está triste ao ver as costelas dele quase saindo pela pele!

Não gosta de dar de cara com animais EM GERAL (gatos também) sofrendo pelas ruas? Porque você é humano e se entristece por eles ou porque você não gosta que eles te incomodem? Tanto faz! Mas quem alimenta isso é essa indústria. E é aí que eu quero mexer.

A arrecadação de impostos pela prefeitura, oriunda das atividades de criação de animais para venda, é perfeitamente compensável. Praticamente não faz diferença. A arrecadação maior de impostos é de IPTU, porque são áreas grandes. Entretanto, as áreas não vão sumir dali e vamos continuar arrecadando.
Já os serviços prestados e atividade de comércio, pouquíssimo geram para a prefeitura. E o pior: os animais abandonados geram gastos! E quem estimula o abandono é o comércio. Então, vendo que é viável no âmbito municipal, eu gostaria de poder propor a proibição da criação de animais para venda na cidade do Rio de Janeiro (não pode criar e só vender fora da cidade. Não pode criar na cidade com o intuito de vender) e a proibição da COMERCIALIZAÇÃO TODA de animais na cidade do Rio de Janeiro. Exceção para cobaias necessárias aos laboratórios.

Peixes merecem seu habitat natural. Pássaros não devem ser engaiolados em hipótese alguma! Roedores não são bons para crianças alérgicas. Chega de comério de animais! Como diz o slogan da organização "Patinhas Online": "Amigo não se compra: adota!"

Então, não vou propor hospital público, não vou dizer que precisamos fiscalizar assim ou assado quem maltrata os animais (as leis estão aí, já), mas vou, sim, propor proibir toda e qualquer venda!

É crueldade com o animal, é estímulo a desordem social!

Sem medo de polêmica,

Filhinha de Papai



quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Proposta 4: trânsito! Que caos!


O Rio de Janeiro continua lindo! Não pode, absolutamente NÃO PODE ter o título de trânsito mais violento do Brasil!
Violento segundo os índices oficiais de acidentes de trânsito? Não! O Rio não é o Estado onde mais se morre no trânsito, a cidade não é a capital campeã de mortes no trânsito. Entretanto, a agressividade carioca pelas ruas é nacionalmente conhecida e choca turistas do Brasil todo e alguns de fora do País.

Por que? Que incoerência! Uma cidade que está se preparando para receber a Copa do Mundo de 2014, os Jogos Olímpicos de 2016, recebe milhões de turistas por ano, merece ser vista desta forma?

Está merecendo! Uma vez que nada tem sido feito, além de obras "estéticas", iniciadas quase em totalidade este ano, para demonstração de serviço em época de eleição. Obras ESTRUTURAIS sem estrutura, diga-se de passagem, como os corredores que tanto anuncia Eduardo Paes e que podem funcionar relativamente bem para quem mora em Santa Cruz (matando um cidadão atrás do outro, mas se acham que funciona o BRT assim mesmo, quem sou eu, que não uso, para criticar?), mas não aliviaram em NADA a vida da maior densidade populacional do Rio de Janeiro, que se encontra concentrada em zonas bem menores que a oeste: Sul e Centro. E de MUITA gente que circula de? Carro!

É, pessoal! Gente que tem carro também tem direitos!

Ora, senhores! Não nos iludamos! O brasileiro, por melhor, mais vazio e confortável que seja o transporte público, ainda vai querer dirigir um dia. Só que o transporte público não tem CONDIÇÃO de se tornar eficiente a este ponto que citei, em míseros 4 anos. E o trânsito, então? Dá para melhorar?
Aí dá! Facilmente! Como brincadeira de criança, se houver interesse em fazer.

Temos hoje, uma Guarda Municipal que DEVERIA ter poder de polícia, aplicando, então, sanções até de multa financeira, além de GARANTIR A ORDEM PÚBLICA! Quando não o faz, é porque o agente da guarda nem sabe que tem poder de polícia. Outros, por serem terceirizados, não têm e acham que têm! Coisa de ingerência!

Cariocas, vamos ser realistas? Quem já viu algum agente da Guarda Municipal fazendo alguma coisa além de apitar no trânsito, anotar placa em bloquinho, bater papo pelas ruas e dar voz de prisão para gente fazendo xixi em local público?
Não eu! Nem ninguém para quem perguntei (32 pessoas conhecidas, moradoras da capital).

Hoje, eu, rua Voluntários da Pátria, Botafogo, saindo do médico. Estou aguardando o sinal me permitir atravessar a rua pela faixa de pedestres. Abriu para mim, pedestre, e eu saí andando lentamente. Passou um motociclista, buzinando incessantemente, ignorando completamente o sinal fechado para ele e quase atropelando os pedestres que atravessavam. Atravessei a rua sem perigo e abordei O AGENTE DA GUARDA MUNICIPAL QUE ESTAVA DO OUTRO LADO DA RUA, exatamente o lado por onde o motociclista infrator passou. Pergunto: "Seu guarda! Não dá para você pegar seu bloquinho e multar aquele motociclista, não?" . Resposta dele? "Por que, moça? O que foi que ele fez?".
Oi? Teve pedestre que GRITOU para xingar o infrator e o guarda, a 50 centímetros da cena, não viu?
Até eu explicar, obviamente, o motociclista sumiu. Sem ser multado!

Fenômeno inexplicável da Zona Sul carioca número 2: a fila dupla LEGAL!
É! Parece que por aqui, a fila dupla é LEGAL! Sim, leitores, porque eu pesquiso pelas ruas. Dependendo do poder aquisitivo médio dos clientes da escola, os agentes da Guarda Municipal, que deveriam MULTAR, ajudam na FORMAÇÃO da fila dupla!
"Mas, minha senhora! Se a gente não fecha pelo menos esse pedacinho aqui da pista, como é que esses carros vão pegar essas crianças?" Ehrr....conhece, TE VIRA, colega? Então! Mamy que tem necessidade de pegar filhote burguês no coleginho protegido pela Guarda, pode fazer uma coisinha um pouquinho mais inteligente: busca a pé! De bicicleta, táxi, transporte coletivo...não tem onde colocar o automóvel? Não UTILIZE o AUTOMÓVEL! Difícil?
Mas aqui, no coronelismo carioca, tem dessas "particularidades" que até ficam parecidas com determinação legal, sabem?

Mais um probleminha básico que poderia ser resolvido num piscar de olhos: CARGA E DESCARGA!!!
Vamos lá! Simples como jogo de palitinho: quer encostar um caminhão na sua porta e descarregar uma mudança, um caminhão de refrigerantes, material de construção? Ofereça uma VAGA adequada para tal, e não uma PISTA de uma via PÚBLICA que SÓ POSSUI DUAS, 24 horas por dia!!! Não existe a opção de oferecer vaga? Realize sua carga e descarga APENAS das 21 horas até às 6 da manhã, nas segundas, terças, quartas, quintas ou domingos. Na cidade TODA, não somente nas pequenas áreas do Centro.

Há lugares no Rio de Janeiro onde é impossível transitar o tempo todo na mesma pista. Não existe erro nas estatísticas que apontam que, se você optar por sair da Rua São Clemente, descer até a Rua Humaitá para entrar no túnel Rebouças em direção à Zona Norte, se optar por transitar NA PISTA (não é acostamento nem recuo! É pista para trânsito de veículos) da direita até a entrada do túnel, você não vai conseguir sem encontrar um veículo, muitas vezes DA UNIÃO FEDERAL (Existe um CD dos Correios no meio do trajeto) ou da própria Polícia Militar (utilizando os serviços do Banco Bradesco, localizado no 258A da Rua Humaitá, que possui estacionamento para clientes), estacionado em local proibido, te obrigando a mudar de pista ou aguardar a boa vontade deles se moverem (horas, muitas vezes)!
Precisa pensar demais para resolver esse problema? Ou precisa ensinar esse povo a ter educação? E como se "ensina". Não se ensina! PUNE-SE, que aí a pessoa aprende! Mas aqui isso não acontece!

A Guarda Municipal está funcionando para melhorar isso? De jeito nenhum!! Muitas vezes, o próprio trajeto irregular, como afunilamento de 6 pistas para três, ou bloqueios de duas pistas para uma conversão onde só entra um veículo de cada vez, entre outras...burrices, causam brigas entre motoristas que mesmo não terminando em violência física podem atrasar os demais, causar caos e afins, causam inúmeras colisões laterais leves, onde os envolvidos acabam nem registrando a ocorrência, mas caos novamente, e causam o pior, a violência física mesmo, a perseguição por vingança entre motoristas que, muitas vezes, envolvem outros em acidentes, além das brigas clássicas de socos, pontapés e tapas. Impropérios pelas ruas do Rio são um verdadeiro fenômeno! Não há um dia em que se saia com o carro e não possamos presenciar uma discussão em níveis altos de adrenalina e baixos de linguajar, entre motoristas cariocas. E a Guarda não sabe o que faz ali! Muitas vezes, só atrapalha!

A briga entre classes, então, é inexplicável!
Os motoristas de ônibus são os mais descuidados das maiores capitais do Brasil;
Os motoristas dos caminhões desconhecem leis de trânsito;
Os motoristas de ônibus (em geral), possuem rixas ao volante com os taxistas;
Os motoristas particulares possuem pavor de todos citados acima;
O motorista do carro particular que tem o carro maior ou o carro mais velho, tende a forçar sua vontade, desrespeitando aquele que tem o direito daquela passagem, mas possui o carro menor ou mais novo; Mulheres são vítimas mais fáceis (não eu! Que sou uma cascuda, nesse ponto!).

O que é isso, leitor? As ruas da cidade mais bonita do mundo, ou um campo de guerra?
O que o Senhor prefeito atual fez? Um corredor de ônibus! Além disso, andou jogando um pouco de piche pelas ruas, para tirar um pouco do caráter de pista de raly das ruas do Rio. E SÓ!

Temos ainda o problema de parte do contingente da Guarda Municipal ser formada por funcionários terceirizados. Não pode! Guarda tem poder de polícia e agente da Guarda tem que ser CONCURSADO! É preciso resolver isso com urgência!

Depois, podemos colocar a Guarda Municipal no devido lugar dela: garantindo a ordem pública no âmbito municipal, como patrulhar um pouco mais a região Central (e todas as demais da cidade, incluindo as comunidades! E principalmente, por que não?, as comunidades!) que está violentíssima, abordar e tentar resolver da melhor forma o problema dos moradores nas ruas, garantir o acompanhamento de torcedores, fãs, participantes de eventos especiais...e não passar o dia apitando dizendo quem vem quem vai e multando quem eles acham que tem a cara mais feinha! Da máfia, estabelecida nos pontos de maior disputa por passageiros, como os aeroportos e rodoviárias, eu não vou nem falar neste post. Afinal, eu quero a GM fora do trânsito. Se fora do trânsito, se continuarem mafiosos, vão ter que procurar outra fonte.

A CET RIO, que possui conhecimento de ENGENHARIA DE TRÁFEGO! Ela deveria controlar, planejar e regular esse caos onde estamos inseridos!
E há uma polêmica entre juristas sobre a CET poder ou não multar. Vamos ver o que diz o site da CET Rio sobre a empresa:
A CET-Rio é uma sociedade anônima de economia mista, controlada pelo Município do Rio de Janeiro e vinculada à Secretaria Municipal de Transportes, com capital autorizado, criada de acordo com a Lei Municipal nº 881 de 11 de julho de 1986, constituída pelo Decreto nº 6.918 de 04 de setembro de 1987, regida pela Lei Federal nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e por seu estatuto.

Vamos discutir?
Diz o site que a empresa é sociedade anônima de economia mista, CONTROLADA PELO MUNICÍPIO. O que significa que o resultado da arrecadação de multas aplicadas pela CET, é controlada pela nossa Prefeitura. Que pode multar! Portanto, a CET multa, a prefeitura arrecada e paga o valor do convênio do serviço da CET. Só que eles não vão às ruas somente para multar! Eles vão ORIENTAR, que é o que falta em nossa Guarda, que pouco sabe o que faz ali!

Então, para organizar, para realmente planejar baseados em ENGENHARIA, que nos isente das idiotices que estão sendo feitas em nossas vias, diminuindo ou até acabando com o caos deste trânsito, que não tem a menor necessidade de se igualar a São Paulo se agirmos rápido, eu sugiro esta troca! 

A fiscalização sobre estes agentes de trânsito também tem que ser intensa! Para garantir que eles garantam a educação alheia, precisamos garantir que estejam educadamente motivados também!
O contingente de homens da CET pode ser menor do que o da GM, porque a GM apenas auxiliará em parte do trabalho. Os salários dos agentes que multam, tem que ser maiores, para que eles não tenham a péssima idéia de se sustentarem com corrupção, como vem acontecendo!

Atenta,

Filhinha de Papai

sábado, 22 de setembro de 2012

A maior frota proporcional de táxis do país precisa ser vista com mais cuidado!


Proposta 3: Porque a cidade com a maior frota proporcional de táxis do país, precisa de FISCALIZAÇÃO especial para isso!

É simples, como vestir uma peça de roupa, entender que tem algo de muito podre no “reino das autonomias” dos taxistas do Rio de Janeiro.

A começar pelas somas dos números oficiais, que não fecham. Publicam 27 mil autonomias, para um frota de 40 mil carros, que na verdade é de 90 mil carros e 30 mil autonomias? Não sei se a prefeitura do Rio está segura em qualquer um de seus índices! Fato é que a população também não está!

Hoje, a população sofre sem poder confiar nos profissionais. Os profissionais sofrem sem terem com quem contar para garantirem seus direitos. Lesão de ambas as partes, a guerra está pronta e não precisa ser assim!

Dizem TODAS as línguas do Rio de Janeiro, que o ex-prefeito César Maia se associou aos mafiosos, montou frota de táxis própria com aproximados 200 carros nas ruas e, por este motivo, os profissionais motoristas estão lutando sem melhora até hoje.

Eu, pessoalmente, conheço algumas senhoras residentes na cidade que possuem, SIM, mais de uma autonomia, e vivem dos rendimentos disso.

Quero punir as viuvinhas que hoje estão ganhando seu pão com a maracutaia armada (não é possível ter mais de uma autonomia registrada em seu nome)? Não! Mas seja feita justiça e, enquanto elas compensam o que não ganham do INSS, ganhando no aluguel de autonomias irregulares, tem profissional sem condição de trabalhar porque não tem o registro e não existe disponível para comprar.

A prefeitura alega ter dificuldade na fiscalização e levantamento dos dados. Ora, o profissional do táxi, para trabalhar, não precisa vistoriar e licenciar seu carro? Então, se cruzarmos com os dados do Detran RJ, conseguimos saber quantos carros, propriamente, estão nas ruas? Em situação regular, pelo menos?
E a quantidade de motoristas com autonomia? Dá para controlar? Aí é mais fácil AINDA! Existe recadastramento. Então, existe número!
E o resto?

SUSPENDE! E fiscaliza! Simples!

Como fiscalizar?
Como o resto da cidade: contingente de guardas em blitz, com apreensão de carteiras e veículos irregulares. Simples poder de polícia, que já acontece pela cidade. É fácil, barato e rápido utilizar fiscais para chegarem diretamente nos motoristas e fazerem este trabalho de controle das irregularidades. Basta que desmontemos o esquema hoje funcionando, onde os que fiscalizam, fazem vista grossa de acordo com a propina, porque quem fiscaliza é despreparado e ganha mal!
Há de se mexer na Guarda Municipal para isso, também. E a contratação de concursados, no lugar dos terceiros, é uma das prioridades neste quesito.

Mas será assunto para outro post.

Clamando pela fiscalização efetiva,

Filhinha de Papai

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Post proposta 2: Viva o renascimento do Universidade Solidária!


Continuando a série de propostas como candidata a vereadora pela cidade do Rio de Janeiro, exponho a segunda: Proposta 2 – Retomar o extinto “Universidade Solidária”, no âmbito municipal.

Nem todos têm conhecimento de que um dia o Brasil contou com um programa chamado “Universidade Solidária”. Nele, as Universidades indicavam alunos para atenderem demandas de determinadas comunidades, que o próprio governo, às vezes, não conseguia atender.

A idéia é bastante simples e barata. Basta conhecer um pouquinho de Rio de Janeiro e saberemos que basta boa vontade.

Hoje, é imensa a quantidade de jovens que chega nas cadeiras das Universidades particulares sem terem qualquer experiência na área que estão estudando. Estou vivendo este momento, diariamente. Voltei à graduação, em Universidade particular no Rio e convivo com uma quantidade imensa de jovens cuja única ocupação hoje é estudar, e que nunca trabalharam na área do Direito, que é o meu curso, por exemplo.
Se frequentarmos as praias, veremos muitos desses jovens matando seu tempo, também. Algumas áreas acadêmicas têm excesso de vagas para estágio. Já em outras, é muito maior a quantidade de alunos do que essa quantidade de vagas. É o caso do Direito, por exemplo, onde muitos não encontram nem estágio voluntário, por  excesso de cursos na área e, consequentemente, excesso de estudantes.

Todo curso de graduação superior exige horas de estágio supervisionado para que o aluno cumpra seu curso todo e receba seu diploma. Então, o estudante, em algum momento, vai ser obrigado, ganhando dinheiro para isso ou não, a estagiar e aprender a profissão e sobre a vida com alguém, correto?
Por que não com a Prefeitura, em parceria?

A prefeitura precisa de força de trabalho. O estudante precisa aprender a profissão. Unir o útil ao agradável se aplica? Penso que sim!

Não é válido se utilizar do estudante como se fosse ele o profissional da área. Aí, não! Mas não pode, por exemplo, um aluno do curso de Ciências Sociais, contribuir logo no início de seu curso com as ações da Prefeitura e ainda aprender, na prática, como funciona a vida de um profissional formado e contratado formalmente? MUITO!

Quando tomei conhecimento do extinto programa, alunos do curso de Biologia, por exemplo, colaboravam com o que aprendiam logo no primeiro período do curso: noções de saneamento básico essencial. Coisa simples, mas que muita gente desconhece! Útil para todos! Alunos de Letras, colaboravam no trabalho de alfabetização, Medicina ajuda nos hospitais, Direito ajuda na conscientização sobre os próprios direitos para o restante da população...e assim vai.

Nem todos os cursos superiores existentes permitirão a parceria no projeto. Alguns, como citei, possuem vagas demais e estudante de menos. Mas falta muita mão-de-obra por parte da prefeitura para a população mais carente de dinheiro. Em casos como os que já expliquei, a experiência beneficia aos três: Prefeitura, aluno e instituição de ensino.

Sendo assim, não vejo motivo para esperar ou não propor!

Com saudade de 1997,

Filhinha de Papai

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Proposta 1 - Se eleita, peço...

Demorei, mas comecei! Post proposta para candidatura número 1: Mexer no bolso da prefeitura para dar descanso ao bolso do cidadão. A verba de marketing!

Choque, foi a reação que tive ao perceber que o atual prefeito havia fechado uma parceria com a maior emissora de televisão do Brasil, para promover o “Rio sem homofobia”.

Novela das oito! Aquilo que todo mundo sabe que é o tal do “horário nobre” televisivo! O mais caro de todos! Custa uma fortuna por segundo! Se usados os intervalos, a conta é astronômica! Fazer a Rede Globo montar uma cena de novela para promover uma causa? Sabem quanto custa? Nem eu! Ainda estou pesquisando essa cifra, que não sai por menos de três milhões de reais!

Não sou homofóbica. Apóio movimentos contra homofobia, detesto homofobia, mas não acho que a prefeitura do Rio de Janeiro precisa da Globo e suas novelas para promover a cidade! Citei a questão apenas por ser um exemplo polêmico visto por muitos. Minha questão toda é se essa dinheirama paga para a propaganda, não faria melhor nos hospitais da cidade. Eu acho que faria! E quero tomar providência para isso.

Eu tenho uma quantidade verdadeiramente grande de amigos trabalhadores do marketing, que me criticaram muito, dizendo que a propaganda não tem nada a ver com as péssimas intenções estatais e que sem propaganda não vivemos. Já não concordo com propaganda estatal, porque dificilmente é de caráter informativo. É para melhorar a imagem, mesmo! Mas a imagem está ruim porque não se deixa de gastar com propaganda, mas deixam de gastar com saúde, educação e segurança! Qual a prioridade? Anunciar sua cidade para turista ou fazer com que ela FUNCIONE primeiro, realmente?

Enquanto não estiver SOBRANDO dinheiro, eu acho que a propaganda não se justifica. Não vemos sobra de dinheiro hoje. Então, que ela não seja prioridade.

Se é para gastar com imagem, proponho: para cada pagamento de um contrato que envolva mais de duzentos mil reais (mesmo que a parcela do pagamento seja menor, ou seja, se o TOTAL de pagamentos do contrato atingir duzentos mil, independente de em quanto tempo serão pagos esses duzentos mil), reter na fonte, ou seja, descontar diretamente do orçamento para propaganda da Prefeitura, 10% (dez por cento) do valor  e aplicar diretamente em compra de medicamentos e melhorias hospitalares.
É viável? Sim! Isso eu estudei!

Facilmente legislável, a proposta é viável, sim! Uma lei simples e está estabelecido o encaminhamento do dinheiro. Autorizado o primeiro pagamento para o contratado pela prefeitura, basta “tributar” (reter como se fosse imposto) a quantia paga, na porcentagem estabelecida e pronto! Aumentamos o orçamento da saúde e diminuímos o de propaganda, automaticamente e sem qualquer trabalho para a população.

Chocante é passar dois dias internada no Hospital municipal Miguel Couto (um dos melhores! Considerado até “chique”) vendo pacientes sem heparina, que é um medicamento muito barato, e ver o prefeito sorridente da vida fazendo autopromoção em novela, promovendo turismo na cidade, enquanto a própria população que atende o turista, morre sem medicamentos básicos e baratos. Pergunto eu, agora, então (em vez da emissora): É justo ISSO?

Se eleita, então, uma das propostas é essa! Quero “imitar” a extinta CPMF, mas que a verba realmente vá para a saúde, e não saia do bolso da população, que já paga imposto demais! Pagamos mais do que o suficiente para manter a máquina, então, a máquina não precisa de nossa ajuda financeira para trabalhar onde precisa trabalhar primeiro. Basta ter as prioridades bem definidas!

Vamos ver se a motivação para fazer pagamentos astronômicos para a Rede Globo continua a mesma se mexermos no bolso de ambos: a máquina e a divulgadora da máquina.

Eu vivo sem televisão, mas não acho possível viver muito tempo sem hospitais!

Sem medo de represálias,

Filhinha de Papai



segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Eu sou uma brasileira bem drogada. Você também não é?


Estou há dias para soltar esse post. Vou aproveitar que bateram no Frejat pelo assunto e vou esclarecer a minha opinião:

Sou a favor da legalização de drogas, hoje ilícitas no Brasil? Não! Não mesmo e meus amigos íntimos que conhecem todo e qualquer “podre” meu sabem que é verdade! O que uso, usei ou vou usar, não deve refletir na minha posição POLÍTICA! Não permito  que reflita.

Uso drogas? SIM! Como a maioria do brasileiro. “Como assim? Sua drogada! Eu não sou uma drogada como você!!!”. Tem certeza? E o anticoncepcional que você engole bonita e sorridente todo dia? Não se chama DROGA, também?

Viva a grande hipocrisia empresarial brasileira!

O Frejat tem razão? Não acho, de todo. Ele está, ao que me parece, com a idéia do tipo do Fernando Henrique Cardoso, que eu acho romantismo puro, de que a força policial brasileira vai se concentrar melhor no combate ao grande traficante, se puder se preocupar menos com o pequeno usuário (e este merece só tratamento). Discordo e ouvi um grande argumento do candidato à prefeitura do Rio pelo PSDB, Otavio Leite, que disse “se o produtor PUDER plantar maconha, ele vai preferir plantar maconha ou arroz? Acho que maconha dá mais dinheiro, não?” ...algo assim. Peço desculpas ao candidato se não foi isso, mas eu apenas ouvi e não anotei. Fato é que Brasil não é Holanda! E ele tem toda razão em argumentar que se a maconha for liberada neste país, vai virar um “samba do crioulo doido”. Nesse ponto, nosso problema não é químico, é educacional.

O que eu vejo de mais “podre” nessa história toda? A minha gaveta!
Eu tenho em casa, de maneira LEGAL, com apoio Constitucional, material suficiente para matar de overdose de drogas uma manada de elefantes! Como? Simples! Comprei na farmácia, como sugeriu Frejat que seja feito com maconha e cocaína. Algumas dessas drogas que tenho, inclusive, “dividem” ingredientes de suas fórmulas com esses vilões que conhecemos por serem ilegais. Tem Químico lendo esse post? Vai saber que não estou mentindo! Farmacêutico? Médico? Quem vai me contrariar com base científica? Duvido! Sou paciente psiquiátrica há 15 anos e meu médico não mora comigo nem me filma durante as 24 horas do dia, para saber se tudo que já me foi receitado ao longo desses anos, foi tomado da maneira correta e por mim. Como garantir? E de posse disso, eu já poderia ter me tornado uma traficante de medicamentos há muito! Só a quantidade de amigos que já me pediu comprimidos de Rivotril (benzodiazepínico, tarja preta, pode causar vício....e daí?) já fica incontável com meus 20 dedinhos! São criminosos, meus amigos? Pela nossa lei, não! E se eles tivessem me pedido, em vez de Rivotril, dois gramas de maconha, cada um?

Tem alguém disposto a falar sobre bebida alcoólica? Tão legal quanto a mortífera nicotina, em nosso Brasil? Alguém conhece, baseado em pesquisas científicas, qual a substância mais viciante do MUNDO? Como viciada que sou, informo: NICOTINA! Ninguém ganhou dela até hoje, no nível de desespero detectado nos ratinhos cobaias. Mas essa eu compro aqui na porta de casa, com respaldo governamental. Álcool, então! Restaurante usa na culinária sem nem avisar e fica tudo bem! Mas tem uma tributação absurda em cima! Então pode.

Quantas famílias você conhece, que foram verdadeiramente destruídas por conta do vício por bebidas alcoólicas? Essa conta é assustadora! Nunca escutei de ninguém a resposta “nenhuma”. NUNCA! Mas beber, no Brasil, pode e tem até marketing para estimular!

Meu pai? Morreu de fumar. Meu tio? Morreu de beber. Meu sogro? Morreu de fumar. Meu tio materno, morreu de beber. Meu vizinho? Morreu de fumar. O pai do porteiro? Morreu de beber...

Eu conheço, você conhece, seu parceiro conhece, seu amigo conhece....todos nós conhecemos tragédias imensas intensificadas pelo uso de álcool (chega de cigarro, nesse post). Quantas ocorrências policiais o álcool produz? Em casa, porque bebeu e ficou violento com os filhos, no trânsito, porque bebeu e dirigiu, nas ruas, porque bebeu e quebrou o bar...

“Tem razão! Então legaliza tudo”. Tá! Mas como eu disse anteriormente, Brasil não é Holanda! E se você acha que a Holanda é um super país desenvolvido que, por acaso, deixa acontecer um “oba-oba geral alucinógeno” pelas ruas, está redondamente enganado quanto à segunda parte!
Por que Amsterdam (não Holanda inteira! As portas se fecharam e quem mantem a venda para turistas é a capital, apenas)  vende maconha legalmente? A California? A Austrália? O recente Uruguai?
Simples: cultura! Que louva a Educação e o respeito ao próximo. Vamos conseguir no Brasil? Acho mais fácil eu me transformar numa lagartixa.

Nesses lugares, existe controle sério estatal sobre onde se planta, quanto se planta, como se planta e se trabalha com, quem distribui, quem vende e quem consome. A população também colabora, e na falta de força policial, vai ela esclarecer e reclamar para o desavisado que aquilo ali não é “casa de mãe Joana” e que não se pode acender seu baseadinho no meio da praça cercado de criancinhas. E se o brasileiro se deparar com uma cena de um ilegal de baseado aceso no meio de uma pracinha com quinze criancinhas em volta? Se conseguir enxergar, vai passar reto. Se não for usuário, vai sair reclamando para si mesmo. Se for, não vai nem achar ruim! Mas alguém vai ter “peito” para abordar o usuário e dizer que está chocado com aquela contravenção no meio da rua, sem qualquer pudor? Os 10% da população que me acompanham sendo chamados de “sem noção” ou “loucos” por defenderem sozinhos seus direitos, talvez reclamem e aguentem as consequências sozinhos.  O resto, prefere “ não se aborrecer”!

Eu usei aspas para “não se aborrecer”, porque a frase que ando escutando com frequência, para justificar um comportamento pusilânime comum, é “eu não quero me aborrecer!”. Você não se aborrece, mas o resto do mundo quebra essa para você!

Esses lugares que citei, onde o uso de canabis sativa, ou maconha, é legal até certo ponto, são lugares com centenas de anos de cultura diferente da nossa. Grande parte da ordem pública desses lugares, é mantida com o cuidado da própria população. Em contrapartida, no Brasil, só não se faz se for ilegal e se tiver perigo da polícia pegar. Caso contrário, não interessa se é certo ou errado, mas se ninguém capaz de punir estiver por perto, a população VAI fazer!

Já estacionou em local proibido, sabendo que era proibido? Já entrou numa rua e percebeu que era proibido entrar ali com seu carro, mas continuou indo? Já pendurou uma toalha na varanda do seu apartamento, mesmo com o estatuto do condomínio te pedindo para não fazer isso, porque seus vizinhos todos penduram e você cansou de ser educado sozinho? Então! Aqui, basta o primeiro fazer a “caquinha” e, precedente aberto, vamos correndo burlar as leis! Nessas circunstâncias, é que digo que acho mais fácil eu me transformar em lagartixa do que termos organização para o consumo e trânsito de drogas alucinógenas.

Só que, já que quase tudo é proibido, gostaria muito que o brasileiro acordasse para a grande hipocrisia: você bebe sua cervejinha? Então não reclame do mal à saúde que faz o baseadinho ilegal do outro! Não é porque não interessa aos nossos líderes liberar um e proibir o outro, que você está sendo um bom cidadão evitando o ilegal! Você está jogando o jogo dos manipuladores com péssimas intenções, achando que está livre de culpa. Se tomar UMA atitude que te cause arrependimento e achar de justificar que foi a bebida que te levou a isso, você é pior do que o maconheiro que escondeu o baseado na cueca: ele teve vergonha e disfarçou! Você arrumou uma desculpa porca!

Se o médico receita um medicamento que pode causar vício e alucina e isso é legal, não pode o mesmo médico receitar uma substância viciante e alucinógena, só que não legalizada e não tributada e comissionada pelos grandes laboratórios? Será que não tem dedo de laboratório farmacêutico nessa conta, também?

Sempre pensando nas grandes conspirações,

Filhinha de Papai



quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Não quero site!


Ontem eu, finalmente, desisti de usar o domínio que registrei, pensando em colocar no ar um site, bonito, com cara de profissional, sob meu nome. Registrei o domínio, paguei a anuidade por isso (30 reais! Nem morri), mas já que é meu e eu posso não usar, vai ficar sem ser usado até, pelo menos, o dia 07/10.

Por que?

Não estou disposta a ser a candidata “zero custo de campanha”? Tenho que pensar nos valores agregados ou indiretos, também!

Eu sei programar um site e colocá-lo devidamente no ar? Não! Se eu não sei, então, vou precisar de ajuda. A ajuda custa? No meu caso, não custa dinheiro meu. Meu irmão mais velho é profissional da área. Poderia perfeitamente me fazer o favor, e está disposto a isso. 
Entretanto, meu irmão precisa trabalhar para ganhar seu pão de cada dia, não mergulha em piscinas cheias de notas de cem reais e precisa do tempo DELE para ganhar o sustento DELE. Se eu precisar ele me ajuda? SEMPRE! Este irmão nunca falhou nesse quesito, nunca me deixou sozinha quando ele poderia ter ajudado, nunca deixou de me apoiar na vida. Mas eu PRECISO dum site no ar? Acho que não! Eu tenho este blog.

Em vez de tirar a concentração do meu amado irmão de cima do importante trabalho dele, se eu quero apenas apresentar o que tenho como propostas, se eleita vereadora pela cidade do Rio de Janeiro, eu posso usar este espaço, sobre o qual eu tenho domínio sozinha.

Não vamos ter, então, pelo menos até o dia 07/10/2012, na internet disponível para todos, o conteúdo que constaria da página www.karinagarbin.com.br. Mas é só por isso que expliquei acima!

A partir de hoje, então, postarei minhas propostas políticas para a cidade do Rio de Janeiro, lembrando sempre até onde um vereador pode ir (no âmbito municipal, sem megalomania falsa), tentando não pensar como um faraó, mas apenas como cidadã que vive os mesmos problemas que qualquer outro cidadão, nessa cidade linda e caótica!

Conto com paciência, uma vez que ainda estou me entendendo com aquele “moço bonito” chamado “Tempo”!

Com lerdas letras,

Filhinha de Papai

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Muro das Lamentações


Tenho falado em minha “TL” no Twitter que o “muro das lamentações”, que segundo nos consta fica em Jerusalém, mudou-se para minha caixa de entrada de campanha. Expliquemos.

Candidata, recebo e-mails no meu endereço público, o eusoukarina@gmail.com , com todas as informações que preciso para a campanha. Exclusividade minha? Claro que não! Todos os candidatos que informaram endereço, recebem juntos as mesmas informações.

Um dia, um dos meus “companheiros de quarto escalão” (explicarei o termo mais adiante) aproveitou o fato de todos nós recebermos os mesmos e-mails, e resolveu abrir seu coração magoado por campanha. Está formado, então, o “muro das lamentações” da minha caixa de entrada.

O primeiro candidato, o que teve a idéia de protestar, abriu o precedente. Depois dele, veio o resto, tão magoado quanto. Por que?

A vida partidária é uma coisa interessante. Descobrimos em meia dúzia de reuniões como é que a coisa toda funciona. Mas tem quem não compareça às reuniões e não entenda como é que a teoria é aplicada na prática. Aplicando, fica assim:

Os candidatos são divididos em “escalões” . Do primeiro até, em nosso caso, no PSDB daqui, o quarto. Levando em conta critérios como popularidade, mandato e DINHEIRO! Claro, afinal, eu já demonstrei que esse último item citado manda em tudo.

Os primeiros a ganharem apoio, material de campanha, tempo de TV, tempo em rádio e todos os demais itens da lista “o que o partido vai me dar”, são os que já tiveram ou ainda têm algum cargo.Os empossados ou ex-empossados, que contam com a popularidade, dinheiro e apoio de pessoas com recursos.
O segundo “escalão”, é composto por candidatos que também possuem apoio financeiro, apesar de não serem ainda políticos conhecidos. Têm “potencial”.

O terceiro é composto por políticos não reconhecidos, mas que possuem vontade e capacidade de captar grande quantidade de recursos financeiros (grande quantidade não é trocado, hein! Vamos sempre começar a falar na casa das centenas de milhares de reais) e possuem algum eleitorado significativo que contribua com a legenda.

O quarto, então, é composto pelo resto. Resto que pode ser de gente que ACHA que tem capacidade para ser eleita, mas que aos olhos do partido não tem. E não tem mesmo! Pessoas que nunca foram eleitas e que não contam com garantias de recursos financeiros. O “quarto escalão” reúne as pessoas que estão praticamente sozinhas, que entraram na chapa porque fazem alguma diferença ou barulho na política, mas que não possuem base eleitoral, recursos financeiros ou influência sobre quantidade grande de pessoas.
Da chapa de mais de setenta candidatos a vereança, apenas uns cinco fazem parte do primeiro escalão. O segundo é maior, o terceiro maior ainda e o quarto é o grande desse ano, porque o PSDB carioca está sem nomes famosos para esta eleição. Onde deveria, inclusive, funcionar o “primeiro escalão”, está tudo fragmentado, com quadros partidários até eleitos apoiando candidatos de outras coligações ou partidos. Eis que nessas eleições a grande maioria da chapa de candidatos a vereador pelo PSDB carioca, é “ninguém”, tipo eu!

Preciso deixar claro que ao apelidar a situação de “muro das lamentações”, minha intenção não é desmerecer ou tirar humor da situação desses candidatos magoados. Não é isso. O lamento é meu também, por perceber quanta gente enganada e iludida entra nesse tipo de empreitada.

No dia 21 de Agosto deste ano, então, começou a veiculação em televisão dos programas eleitorais. Todos os candidatos da chapa tiveram a oferta de gravar doze segundos de declaração, para ser inserida no programa eleitoral do partido. Vereadores são inseridos em Rede Nacional, pelas regras, dia sim, dia não. Ao recebermos a oferta de gravar doze segundos, muitos candidatos acharam que seus doze seriam iguais aos doze de qualquer um. Não é assim, é óbvio! Óbvio para mim, obviamente.

Primeiro dia de propaganda, os candidatos que eu já sabia que são do “primeiro escalão” apareceram. Do segundo também. Entre eles, um senhor cujo talento mais interessante é ter sido jogador de futebol pelo time mais popular do Rio de Janeiro. “Mas ele não sabe falar!!” , disseram. E daí? Quem disse que na política, hoje, interessa se o cidadão está preparado tecnicamente para assumir o cargo ou não? E se analisarmos, todos, TODOS os partidos políticos funcionam assim. Não venham me contestar dizendo que é diferente em partido pequeno. Só é diferente em relação realmente ao tamanho de cada partido, mas todos funcionam no mesmo raciocício nesse quesito.

Armada a confusão, começa a troca de e-mails que anunciei acima. Uns reclamam dos méritos dos outros, outros reclamam apenas da própria situação, mas a reclamação é geral. Uma série de candidatos “pequenos” desiludidos porque foi criada expectativa. Muita expectativa, em cima desses encantados doze segundos.

Eu, sinceramente, já havia aberto mão de meus doze, sabendo que não teria inserções, porque continuo fazendo campanha contra campanha, não saí uma única vez para fazer campanha em pról de nada nem de ninguém depois do dia 07 de Julho deste ano (claro que converso e peço votos para Otavio Leite, porque eu mesma gosto dele) e, o que mais me dá prazer, minha obrigatória conta bancária de candidata continua partindo de zero, passando por zero, terminando em zero reais! No fim, tivemos mais uma chamada para gravação, num dia em que eu estava completamente livre (domingo, início de Agosto) e eu gravei meus doze segundos. Mas não gerei expectativa para ninguém, porque já tinha entendido o processo. Entrei porque eu quis, sabendo de tudo isso.

Questiono, então, o que é que foi dito, passado, esclarecido e discutido com os candidatos integrantes do grupo de e-mails. Tinham esperança de que na distribuição do horário eleitoral o mundo fosse voltar a girar no sentido certo, ignorando o que manda hoje em dia que é o poder econômico e tudo o que gira em torno de conseguí-lo, para garantir igualdade social na televisão?

No meio das reclamações, conseguimos ainda ver o lado bonito das situações tristes e alguns começaram a tentar motivar uns aos outros, até com o apoio bíblico. Mas eu, sinceramente, acho que Deus não tem nada a ver com eleições. Se tivesse, provavelmente uma série de excomungados morais não estaria empossado.  Mais para frente vou comentar o que penso a respeito da mistura de religião com política nesse país.

Depois ainda tem uma grande maioria me perguntando sobre meu posicionamento. Sendo claros, eu não estaria candidata, muito provavelmente, se não fosse outra idiotice estimuladora do preconceito em nossa nação, chamada “cota para mulheres”. Eu sirvo ao partido levando comigo os candidatos “reais” da chapa e o partido me serve auxiliando em tudo para minha candidatura e fornecendo material. Relação amorosa sincera: ninguém se ilude e vivemos felizes para sempre. Mas se existe esse critério de cotas por gênero, ainda tinha candidato acreditando em igualdade social na distribuição do horário eleitoral?

Como eu sempre digo e peço: basta parar um pouquinho para ligar uns pontinhos. Deixando os pontos soltos, é que se criam as frustradas expectativas e as ilusões inúteis.  Se querem mudar, fazer diferente, só existe um caminho e este é lutar para mudar o sistema! Simples!

Parar de ficar acreditando nas boas intenções do mundo e começar a colocar realmente em prática as nossas, pode ser o caminho para a mudança que precisamos fazer para salvar as próximas gerações. Quero, com isso tudo, apenas que as pessoas parem um pouco para pensar!

Raciocinando ainda,

Filhinha de Papai

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Quanto dinheiro...!


Quanto custa uma campanha eleitoral?

Depende! Custa muito, em vários sentidos. Mas custa muito DINHEIRO, hoje em dia, principalmente, e esse é o meu grande problema com a “coisa” toda!

Já falei, avisei, falei de novo, mas para quem chegou agora, aviso novamente: estou candidata a uma vaga na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Por este motivo, estou aproveitando a campanha “sem fazer campanha” para fazer campanha por melhores campanhas. Entenderam? Não? Tudo bem! Basta acompanhar e tudo ficará explicado.

É possível fazer campanha sem dinheiro? Nos moldes atuais, não! Isso é interessante para o bem comum? Na minha opinião, nem um pouco!

“Poxa! Mas nem uma panfletagenzinha? Que mal há?” Nenhum, não fosse um problema meu de prioridades.

Continuo amargando dívidas e contas aqui em meu balanço particular, porque muita gente sabe que não preciso de estímulo financeiro para “colocar o bloco na rua”. Meu estímulo é o mesmo de todos: está tudo torto no Brasil e a população está assistindo a um festival de irregularidades com o nosso dinheiro. Nosso dinheiro tem pago viagem, bebida alcoólica caríssima, jatinho, curso no exterior para filho de empossado, passagem aérea para amante de ministro....nosso dinheiro anda pagando luxo para a base empossada, enquanto o brasileiro que sua para ganhar está com cada vez menos do dinheiro DELE. Eu pago a viagem de Sergio Cabral a Monte Carlo, mas eu mesma tenho o sonho de conhecer o local e não tenho condição financeira para isso. “Colocar o bloco na rua”, então, é apenas tentar conscientizar a massa do tanto de dinheiro que estamos jogando nas contas desse tipo de pilantra, enquanto passamos diversas necessidades mais básicas do que ir a Paris. E eu faço esse tipo de coisa desde que vim a este mundo já deturpado.

Desde antes de poder votar, eu já agitava pelas ruas pedindo justiça em vários âmbitos. Não mudei nem vou mudar em função de eleição. Mudo, sim, quando conseguirmos colocar pessoas decentes nos três poderes e pudermos dormir tranquilos sabendo que nossos REPRESENTANTES estão trabalhando POR NÓS, não pelos bolsos e bem estares deles.

Diante disso, tenho ainda os resquícios dos gastos “mobilizados”. Sim, senhores, porque por mais bonita que seja minha causa, o dono da gráfica vai continuar me cobrando pelo adesivo. Vai continuar me cobrando pela cópia da cartilha explicativa. Vai continuar me cobrando a camiseta confeccionada para divulgar a causa....enfim, eu posso estar trabalhando de graça (não é de graça, uma vez que o benefício de um país melhor é meu também, mas vamos deixar assim), mas não posso contar com o fato de mais gente também não cobrar dinheiro por qualquer esforço.

“Bota dezinho aqui”, “bota cinquentinha ali”, a candidata aqui já acumulou algo aproximado a 60 mil reais (ao longo da vida toda, nem é muito) de “prejuízos” com ações sociais e de mobilização para tentar melhorias que só se realizarão com a participação massiva do contingente populacional. Independente dos resultados conseguidos com esse investimento, vem agora a minha questão: se eu pegasse esses mesmos 60 mil reais e investisse em me promover, eu não poderia aproveitar melhor esse dinheiro, uma vez que fica mais fácil me eleger e fazer MUITO quando estiver lá? Até poderia pensar nisso, se não fosse pura utopia.
Se eu pegar esses 60 mil (que não tenho) e investir em publicidade, posso ser eleita? Posso! Mas não vou! Esses 60 mil e nada, eleitoralmente falando, são quase a mesma coisa. É! Dinheiro demais para uns, nem trocadinho de chiclete para outros.

Quanto custa, então, uma campanha eleitoral? De novo, depende muito, mas para eleger efetivamente o cidadão? Muito mais do que os 60 mil. Vou colar aqui, algumas “promoções” que recebi como candidata, de itens de campanha:
PLACA 1X1 -EM PLASTICO - 10.000 MILHEIRO
PLACA 1X1 EM LONA - CUSTO UNITÁRIO - R$ 17,50
PLACA 2X1 EM PLASTICO - 19.800,00 O MILHEIRO
PLACA 2X1 EM LONA - CUSTO UNITÁRIO 29,00
PLACA 2X2 EM LONA E QUADRO EM METALON - CUSTO UNITÁRIO - 95,00
ADESIVO PERFURADO - 17,00
PLOTAGEM DE VEÍCULO - R$ 330,00
TRIPE 2X2 EM LONA COM METALON - R$ 230,00
BONECO EM PS DO TAMANHO ORIGINAL DO CANDIDATO - R$ 140,00
BANDEIRA 90X140 - R$ 27,00

Só gráfica, aqui, hein. Teria que ser a parte mais barata (e é). Se um adesivo daqueles de vidro traseiro do carro custa esses trezentos e poucos reais, já conseguiram imaginar quanto não se paga por um filminho de um minuto na TV? Quanto se paga por um “showmício”? 
Andei cotando, há tempos (um ano, mais ou menos), cachê de artista musical para show de uma hora, em ambiente fechado, com o repertório do artista (sem qualquer exigência) e todas as mordomias como alimentação especial, toalhinha especial, isotônico especial que só se encontra na venda do Zezinho na curva do rio desconhecido dos cafundós da região Serrana e, mesmo que você dê TUDO que o artista exigir, para que ele toque uma hora em algum evento seu, o menor precinho que recebi foi 25 mil reais. Se tiver que falar o nome do político que está pagando, quem aceita ainda cobra bem mais caro.

Jingle? Custa dinheiro?
Site? Custa dinheiro?
Foto tratada?
Cabelo?
Maquiagem?
Pessoa para fingir que vota em você de graça e entregar seu panfleto... ?

Já escutei mais de quinze vezes, esse ano, que uma campanha custa um milhão. Eu, sinceramente, não sei o que É um milhão de reais! É mais dinheiro do que eu já tive contato na vida. Será que chega nessa cifra? Não sei se chegamos a gastar um milhão, mas pelos gastos que citei, dá, pelo menos, para perceber que com aqueles 60 mil não se faz muita coisa numa campanha eleitoral, correto?

Então como é que eu posso conceber a idéia de gastar esse tipo de quantia para tentar ser eleita, se eu já provei a mim mesma durante a vida toda, que há inúmeras maneiras melhores de se investir dinheiro? Se eu investir um milhão de reais em qualquer uma das causas que considero fundamentais para o desenvolvimento de nossa nação, essa causa não será muito mais bem sucedida do que a minha passagem pela Câmara dos Vereadores? Tudo bem! Podemos diminuir a cifra e deixá-la mais adequada à realidade da maioria: se eu pegar cem mil e decidir investir esses milhares de reais para me promover, não estarei deixando faltar alimento na mesa de alguém que está desempregado e batalhando há mais de um ano? Não estarei deixando crianças tristes por acharem que são ruins e não merecem ser visitadas pelo Papai Noel? Não estarei deixando de investir em saúde para todos? Educação para todos? Segurança para todos?

Se eu posso mandar confeccionar um panfleto dizendo “vote em mim porque eu tenho planos assim...”, não poderia mandar confeccionar a mesma quantidade de material para promover, por exemplo, a doação de medula óssea? Se eu investir em um adolescente genial, não será ele a descobrir a cura para a AIDS, por exemplo? Cem mil reais que não fazem muita diferença eleitoral, podem pagar uma graduação inteirinha em Medicina. É mais importante eu ser vereadora ou formar um médico?

“Discussão circular”, ou “você não vai a lugar nenhum com essa mentalidade no Brasil”? Pode ser! Mas eu prefiro circular ou viajar por águas que me deixam tranquila, do que fingir que o melhor investimento para o bem comum sou eu! Acho muita pretensão!

Ainda humilde,

Filhinha de Papai

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Campanha pode ser sem campanha?


Estou em campanha eleitoral. Estou?

Deveria estar, uma vez que estou candidata a um cargo de veradora pela cidade do Rio de Janeiro. Tenho sido duramente questionada por não estar distribuindo panfletos, afixando placas, divulgando incansavelmente minha carinha e propostas pelas Redes Sociais, saindo para ações de “corpo a corpo” ou mesmo divulgando que estou candidata entre aqueles que me conhecem como voluntária de ações sociais. 

Pois eu tenho, de acordo com os meus valores, motivos bons para justificar cada uma das minhas “faltas de ação”. Pode parecer falta, mas eu estou agindo, de maneira diferente.

- Por que não distribuir panfletos?
Porque você pode escrever vinte vezes naquele panfleto que gostaria que as pessoas, ao descartarem depois de ler, jogassem apenas nos lugares destinados a lixo, que elas vão continuar jogando grande parte deles nos chãos das ruas. Depois, além do problema visual, temos problemas com acúmulo de poluição e galerias entupidas, e o candidato vai poder dizer que não colaborou sujando? Na minha concepção, não vai!

- Por que não afixar placas?
Eu não me acho nem um pouco mais bonita ou interessante do que as paisagens da cidade. Eu, particularmente, prefiro andar pelas ruas vendo apenas o que faz parte daquilo, e não a carinha dos candidatos, gostando deles ou não, afixadas por todas as partes. Se eu prefiro a cidade sem as placas, como poderia me utilizar desse recurso para me promover? Não crie para os outros o incômodo que você não queria para você. Não é assim que as coisas funcionam de maneira mais agradável?

- Por que não divulgar incansavelmente minha carinha e propostas pelas Redes Sociais?
É verdade que eu acho que não temos o direito de não acompanhar política, uma vez que nosso voto ainda é obrigatório. Entretanto, para acompanhar política, não acho necessário abrir o seu Facebook e dar de cara com fotos e mais fotos e avatares, de candidatos que você nem gostaria de ter visto, porque aquele seu amigo que era apartidário até ontem, foi contratado por uma equipe de campanha e agora ganha para postar a foto do cara que você mais detesta na política nacional na sua Timeline (agora, com essa história de Timeline obrigatória do Facebook, tudo ficou mais exposto ainda). Muita gente ainda abomina qualquer menção ao assunto política, se colocada diante de seus olhos. Assim como eu tenho verdadeiro PAVOR de gente que usa Rede Social para tecer comentários sobre programas televisivos ridículos, mas não posso exigir que meus contatos sejam como eu.  Se o "BBB" e “A Fazenda” deles me incomodam, não é por isso que vou incomodar forçando política goela abaixo de quem se recusa.

- Por que não sair para ações de “corpo a corpo”?
Sou da opinião de que para que tenha uma proposta para assumir qualquer cargo político, o candidato precisa saber o que precisa fazer e o que pode ou não fazer, antes, muito antes de pensar em se candidatar. Ora, ideal não seria que fossem candidatos aqueles que tivessem reais propostas de mandato? Reais propostas de mandato não se constróem nessas visitas de candidatos a locais por eles ainda desconhecidos. É possível ouvir o eleitorado e ter idéias? Sim! Mas a base de sua candidatura tem que ser construída antes do seu registro como candidato. Então, durante a campanha, o trabalho é mesmo de divulgação, na verdade! Não de interação entre candidato e população. Essa, para mim, se faz todos os dias. As minhas propostas, por exemplo, não têm nada de regionais, então, como poderia visitar uma população  de um local específico que ainda nem conheço, e ser sincera ao dizer que vou fazer alguma coisa para aquela população daquele local específico? Parece demagogia, não?

- Por que não divulgar entre aqueles que me conhecem por meus trabalhos sociais?
Porque seria me aproveitar de atos que pratiquei porque o poder público não dá conta de atender às necessidades da população, para divulgar que quero entrar no poder público. Sinceramente? Eu não tenho capacidade (e duvido que qualquer candidato a vereador tenha) de dizer às pessoas beneficiadas por trabalhos de voluntários, que elas vão deixar de precisar de voluntários porque o poder público vai garantir suas necessidades. Não vai! Como eu posso garantir às crianças que já presenteei como voluntária de ação social, que elas vão ter pai e mãe com situação econômica melhor do que têm hoje? Como eu posso ter a pretensão, como vereadora, de garantir igualdade social e erradicação da pobreza? Isso é plano para anos de governo federal aliado ao estadual e municipal. Pode então, um vereador, se valer desse tipo de promessa e esperança? Não acho que sim.


Não! Eu não sou nenhuma espécie de ser humano modificado em laboratório que não pense muitas vezes no próprio benefício. Mas não achei, pelo menos até hoje, válido trair meus princípios colocados acima para garantir uma cadeira no poder. Ainda vou escrever mais sobre o dinheiro envolvido nesses processos, também. Por hora, esclareço que continuarei trabalhando pela melhora do Rio de Janeiro, empossada ou não, durante todos os dias de minha vida. Seria mais fácil trabalhar por isso se eleita? Sim! Sem dúvida. Mas minha paz de espírito estaria tão garantida, se assumisse que são meios para chegar onde gostaria? Nem tanto! Prefiro, se chegar, chegar do jeito que acho mais bonito, ou não chegar!

Agradecendo pelos muitos apoios que venho recebendo, mesmo com todos os obstáculos que acabei impondo à minha própria candidatura, e dizendo por isso que já venci,

Filhinha de Papai

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Voto nulo é remédio ou lenda?


Continuando pelo período eleitoral, quero falar sobre uma questão que vem à tona nas Redes Sociais todos os dias, além do que escuto pelas ruas: o voto nulo.

Discorre a lei eleitoral sobre o voto nulo, no artigo 224 da lei 4737/65, conforme segue:
“Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.
§ 1º Se o Tribunal Regional na área de sua competência, deixar de cumprir o disposto neste artigo, o Procurador Regional levará o fato ao conhecimento do Procurador Geral, que providenciará junto ao Tribunal Superior para que seja marcada imediatamente nova eleição.
§ 2º Ocorrendo qualquer dos casos previstos neste capítulo o Ministério Público promoverá, imediatamente a punição dos culpados.”

Problema no “front” número 1: já ouviram falar de Jurisprudência? Então! Ela é um dos mecanismos que faz parte dos fundamentos da decisão jurídica. E um dia, o TSE acabou decidindo por uma interpretação da lei acima, que não mais deixa margem para que tentemos usar o voto nulo! A nulidade compreendida pelo TSE é por FRAUDE! Então, olho vivo! Para que você anule efetivamente seu voto, é preciso que você vote num candidato IMPEDIDO!

Sim, senhores! Prometo que é assim que funciona e qualquer um que utilizar o “tio Google” com cuidado vai perceber que estou certa. Não é legal confiar no seu amigo do Facebook. Mas você pode consultar os processos, as decisões do TSE e a Lei 4737/65 e ligar seus pontinhos.

Ainda no Facebook, um primo, tentando me contrariar sobre este assunto, postou a seguinte informação:
“I - deve o Tribunal Eleitoral proclamar eleito o candidato que obteve a maioria dos votos válidos, não computados os votos em branco e os votos nulos, quando não houver candidatos com registro indeferido, ou, se houver, quando os votos dados a esses candidatos não forem superiores a 50% da votação válida; 
II - não deve o Tribunal Eleitoral proclamar eleito o candidato que obteve a maioria da votação válida, quando houver votos dados a candidatos com registros indeferidos, mas com recursos ainda pendentes, cuja nulidade for superior a 50% da votação válida, o que poderá ensejar nova eleição, nos termos do art. 224 do Código Eleitoral;
III - se a nulidade dos votos dados a candidatos com registro indeferido for superior a 50% da votação válida e se já houver decisão do Tribunal Superior Eleitoral indeferitória do pedido de registro, deverão ser realizadas novas eleições imediatamente; caso não haja, ainda, decisão do Tribunal Superior Eleitoral, não se realizarão novas eleições;”



Retirado das mesmas fontes, as publicações da Lei Eleitoral, o texto acima também faz parte do Código. E é ele mesmo que fecha a questão da nulidade. Segundo o artigo acima, nulos são os votos que damos aos candidatos IMPEDIDOS! Existem candidatos que se mantém fazendo campanha enquanto seus processos estão sendo julgados. Estes, às vezes, acabam entrando na listagem no carregamento da urna eletrônica. Se você encontrar um DESTES candidatos e conseguir votar nele, aí sim, seu voto, se a candidatura dele continuar impedida, será anulado. Caso contrário, voto nulo conta como voto branco, não válido, fora da contabilidade que nos interessa.

A prova? Documento do site do próprio TSE. Basta ler com atenção e fica tudo claro. E esse link é oficial: http://www.tse.jus.br/arquivos/tre-ms-artigo-sobre-votos-validos

Espero que estejam satisfeitos com minha explicação. Se não, procure o jurista mais próximo e se informe! Mas não saia por aí fazendo caca eleitoral porque seu amigo do Facebook te disse que era descoberta da lâmpada!

O voto nulo, hoje, serve para uma única coisa: tirar o peso da SUA responsabilidade dos SEUS ombros e jogar nos ombros de quem tem paciência para pesquisar Política!

Com fé nas responsabilidades nos lugares certos,

Filhinha de Papai 

Ah! O período eleitoral...


Hoje vi uma iniciativa do Estadão, colocando um repórter disfarçado, sendo candidato a verança na cidade de São Paulo. Ele pede que não votem, afirma que não vai fazer campanha e deixa claro que seu objetivo não é chegar à Câmara Municipal. Promete, entretanto, revelar os “bastidores” das campanhas eleitorais.

Legal! Vou acompanhar a série, mas já adianto: não tem “segredinho de bastidor” , não! A vida partidária é bastante parecida com a nossa vida real e qualquer um que não demonstre claros sinais de desequilírio mental que ameace a vida alheia, pode ter acesso a toda a “limpeza” ou “sujeira” da política. Basta querer saber!

Não vou plagiar o repórter do Estadão, não vou revelar “bastidores obscuros”, mas há muito estou tentando tempo para retomar o blog, até para dividir com todos as minhas estranhas idéias sobre campanha, cargos minoritários e majoritários, política partidária e, principalmente, a tão sonhada Reforma Política que o brasileiro tanto cita.

Alguns tabus, porém, eu mesma já venho derrubando pelas ruas, ao conscientizar as pessoas de que qualquer um pode ser candidato a qualquer cargo, nos moldes atuais, mesmo sem milhares de eleitores como garantia ou ainda, sem milhares de REAIS como garantia! A vida não será igual para todos com essas diferenças, mas elas não impossibilitam a população “comum” de chegar ao lugar que uns tanto louvam e outros só xingam: o de empossados na política brasileira.

Ao mesmo tempo, acho de suma importância que o brasileiro compreenda que no poder, estão os representantes que NÓS escolhemos, que eram iguais a todos nós antes de serem escolhidos! Se temos um problema com aqueles que costumamos tratar como deuses, porque NÓS demos um cargo a eles, não será, a primeira responsabilidade por todo mal, nossa?

A candidata que “vos posta”, então, vai revelar o que qualquer pessoa que ler este blog quiser saber sobre a candidatura ou o funcionamento da política por aqui, no Rio de Janeiro. Não participo de aplicativos que permitam perguntas, mas tenho o hábito de responder a todos os e-mails que me enviam. Se alguém quiser saber algo que eu saiba, basta comentar aqui ou enviar um e-mail para mim, no eusoukarina@gmail.com.

De resto, vamos continuar num esforço coletivo de fazer com que as pessoas raciocinem um pouco além do que são induzidas a raciocinar! Uma de minhas professoras tem muita preocupação com isso e eu acho muito interessante da parte dela: ela tenta nos treinar para sermos advogados ESPERTOS. Esperto significa malandro? NÃO! Espertos no sentido de fazermos as conexões que interessam ao nosso trabalho, à nossa vida!

Como costumo convidar: vamos todos começar a fazer mais ligações de pontinhos e continhas de soma simples?

Com muito mais a falar,

Filhinha de Papai

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Errado é querer acertar!


Eu estou afastada, devendo um post seríssimo ao amigo João Bolsoni, sobre o fim dos fundos teoricamente destinados ao trabalhador, mas tive que fazer um protesto rápido aqui, antes de qualquer coisa!


Definitivamente, estamos vivendo a “ode ao desvalor”! Diariamente!
Não bastasse a “Cachoeira”, a enxurrada, a lama toda que está vindo a tona sem que eu tenha olhos para acompanhar tanto escândalo estatal, grande parte da população realmente enlouqueceu! É minha humilde opinião!
Criminoso condenado presidindo comissão.  Político safado confesso saindo de santo porque denunciou outro safado. Supremo Tribunal Federal cometendo estupro à Constituição Federal... é, realmente, o país da piada pronta. E vai continuar a ser, porque a população só colabora!

Fora o fato de muita gente achar que porque não trabalha o Estado tem obrigação de sustentar, fora o fato do brasileiro, em geral, ter dificuldade em focar outra coisa que não seja o próprio umbigo, fora o fato do brasileiro, em geral, ter preguiça de urna, agora o responsável tem a responsabilidade de carregar o encostado! Cuidado que pode virar lei!


Universidade, dias normais entre Abril e Maio:

Fomos nós, os alunos, naturalmente submetidos a uma série de avaliações bimestrais. A primeira nota a ser divulgada? História do Direito (para quem não acompanhou, voltei ao curso de graduação, em Direito). Notas boas, notas ruins... nada fora do normal.

A professora é extremamente dedicada aos alunos. Preocupada com o fraco desempenho de alguns, ela oferece uma oportunidade extra de recuperação de nota: um trabalho escrito sobre a relação entre o Direito romano e nosso Código Civil. Básico, para quem pretende, pelo menos, advogar um dia na vida!

Eu preciso melhorar minha nota? Nem tanto. Consegui nove dos dez pontos da avaliação, estando tranquila para a próxima, onde se eu conseguir míseros cinco pontos, já não preciso me preocupar com o próximo semestre. Isso se eu não gostasse de estudar. Claro que vou escrever sobre o assunto proposto e tentar ficar com doze, uma vez que o trabalho vale até três pontos adicionais. E o assunto é de extrema importância acadêmica! Não posso perder.
Nerd? Geek? Divirtam-se! Nenhum deles me ofende! Se eu almejasse apenas um diploma, poderia comprar um, como fizeram alguns de nossos governantes. Mas eu insisto em ter valores que já não sei se valem algo!

Durante o anúncio feito pela professora, de que o trabalho pode ser realizado em grupos de até três pessoas, recebo um convite de uma colega para compor um trio com ela. Aceito o convite. Monto nosso trio convidando outro colega.

SEIS dias depois, a colega, que até então não havia mais tocado no assunto, reforça sua posição de parte do trio, mas não pede tarefas nem se propõe a nada. Não forço! Não tenho obrigação de procurar pela pessoa que quer A MINHA ajuda, em minha opinião.  Já O colega, pede tarefas e trabalha comigo desde o primeiro dia.

Dia de entrega do trabalho, quatorze dias depois do anúncio. A colega jamais tocou no assunto novamente. Eu e o outro colega, terminamos tudo, imprimimos, encadernamos e entregamos nosso texto, no dia 09/05, o marcado pela professora. A colega? Não tinha COMPARECIDO às aulas novamente, desde a semana anterior. Só apareceu para completar as avaliações bimestrais. Sua última aparição na Universidade havia sido no dia 07/05, dia de avaliação bimestral. Sem tocar no assunto do trabalho, a ser entregue dois dias depois. Nada! Fiquei quieta novamente.

Eis que no dia QUINZE de Maio, seis dias depois da ENTREGA do trabalho, ela aparece. E resolve me questionar a respeito. Informo, delicadamente, que o trabalho estava entregue, sem os créditos a ela, obviamente, que não tinha crédito algum, por pura omissão.

Agora a ode: ELA FICOU BRAVA! Sim, leitor! Ela ficou enfurecida! Como se eu tivesse arquitetado tudo para acabar com a vida dela! Achou-se no mais pleno direito de BRIGAR comigo, pela falta do crédito! Em público! Com testemunhas! Prometo!

Resumo da ópera: eu, aluna dedicada, ferrenhamente contra a fraude acadêmica, sou agressivamente questionada e condenada por uma colega porque eu não compactuei com a fraude que ELA queria aplicar, usando o MEU texto para tal. O leitor não acha bonitinho? Eu achei!


Para o amigo Daniel Ramos, que vive em crise existencial porque é homem de valor, aviso novamente, agora oficialmente: errado é você, amigo! Errado é você que não compactua nem trabalha para a fraude alheia!
Porque nós, pessoas que lutamos pelo sucesso oriundo do esforço pessoal, somos os “extraterrenos” dessa Terra maluca que, pelo visto, está girando ao contrário!


Com esperança de um pingo a mais de vergonha a cara alheia,

Filhinha de Papai