Pesquisar este blog

Follow by Email

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Rita Lee, no Pinheirinho alheio, é refresco!

Colei, aqui, a resposta do governador Marcelo Déda – PT, do Sergipe, ao blog do Moreno:

“Aracaju(SE), 29 de janeiro de 2012.

Meu caro Moreno,

Não posso responder ao Drummond - faltam-me engenho e arte. Mas posso, ao menos, contar o que aconteceu no sábado passado. É o testemunho de quem esteve lá e servirá para mostrar a abissal distância entre o episódio da Nara, que o Poeta Maior cantou e denunciou, e aquilo que aconteceu sábado no show da Rita Lee:


No último sábado, 28, fiz um programa igual ao de outros 20 mil sergipanos e turistas que curtiam o Verão Sergipe na praia de Atalaia Nova, no município de Barra dos Coqueiros, uma ilha paradisíaca entre o Atlântico e o Rio Sergipe - fui ver o show da Rita Lee.

Era a segunda vez que ela se apresentava no evento, um Festival gratuito, realizado nas praias próximas a Aracaju e organizado pelo governo do Estado, com o apoio de patrocinadores privados. Dessa vez seria especial, a rainha do rock pretendia encerrar neste espetáculo a sua presença nos palcos. Tenho 51 anos de idade e o som da Rita Lee sempre eseteve na minha "playlist". No local do evento me encontrei com minhas duas filhas, Marcella e Yasmin que também foram prá festa.

A minha expectativa era a melhor possível, o ambiente ajudava. A arena aberta, sem cercas ou qualquer restrição de entrada, na Praça de Eventos Jugurta Barreto, inaugurada na sexta, acolhia uma multidão bonita e alegre. Na noite anterior a banda de rock The Baggios abrira a noite e fora seguida pelos Paralamas do Sucesso e por Margareth Menezes. Um lindo espetáculo, pacífico, e sem qualquer incidente digno de nota, como é a característica do evento.

Mal sabia que iria testemunhar uma imensa confusão. Ainda no início do show, Rita Lee implicou com a presença da Polícia no evento. Reclamou da presença dos "capacetes". Disse que tinha "paranóia"de políca e que se sentia incomodada com a sua presença. Exigiu que os policiais saísem da praça, aconselhando-os a fumar um baseado e prender políticos corruptos. Era só o começo...

Alguns minutos depois, aparentemente sem nenhuma razão, sem que se pudesse perceber qualquer conflito ou briga no público, a artista começou a agredir verbalmente os policiais que faziam a segurança do evento com palavrões, ao mesmo tempo que pedia ao público um "baseado" e desafiava a polícia a prendê-la. "Cachorros", "cavalos", "cafajestes", "f.d.p.", foram algumas das expressões dirigidas aos policiais. O público, excitado e incentivado pela artista, respondia aos seus apelos de vaia e repetiam em coro as ofensas.

Foram momentos de grande tensão. Imagens produzidas por várias fontes foram postadas no You Tube e estão acessíveis a todos que queiram examiná-las.

Sou pai e pensei nos pais que esperavam em casa a volta daqueles meninos que ali estavam. Se um policial prendesse um dos fãs da cantora, como reagiria a multidão? Se um dos expectadores agredisse um policial, como reagiria a polícia? Se os policiais aceitassem a provocação e tentassem subir ao palco, o que poderia acontecer naquele evento? Confesso que temi uma tragédia. Um conflito entre policiais e um público de 20 mil pessoas jamais acabaria bem. A integridade física dos cidadão e dos policiais estavam em risco. Talvez o show terminasse com um ou mais corpos estendidos no chão... Orientei o comando a retirar os policiais do meio da multidão. A polícia atendeu a ordem e se comportou exemplarmente: ferida nos seus brios, agredida e vaiada, não revidou, não perdeu o controle, não agiu por impulso. Retirou-se de forma pacífica e organizada.

O show foi apresentado integralmente, com o tradicional "bis", sem que qualquer intervenção externa fosse produzida. Finda a apresentação as autoridades policiais presentes adotaram as medidas previstas na lei, registraram a ocorrência e ouviram a cantora, sem qualquer agressão ou ameaça à sua integridade, nem a da sua equipe.

Hoje as redes sociais amanheceram em reboliço. Opiniões de todo o tipo. Manifestações críticas e de apoio com a passionalidade tradicional nessas mídias. Quem lá estava apresentava suas versões, quem sequer chegara perto também fazia questão de baixar decreto e assinar sentença condenando a parte que julgasse culpada

O episódio foi encerrado, eu e a minha equipe lamentamos profundamente o acontecimento. Uma noite que tinha tudo para ser uma homenagem do público a uma das mais importantes artistas brasileiras transformou-se numa ocorrência policial. No entanto, como governador e cidadão não posso aceitar que o carinho natural que dedicamos aos artistas que admiramos, encubra a realidade e nos afaste de algumas reflexões necessárias:

1) Não é correto pedir para retirar a polícia de um evento em praça pública, aberto, gratuito, com um público estimado em quase 20 mil pessoas. É dever inafastável do poder público policiar a área e proteger o público e os próprios artistas.

2) A ação da polícia sergipana não foi abusiva. Não há um registro de excesso até agora. Se os policiais agissem de forma ilegal e violenta eu seria o primeiro a adotar as medidas para a punição de quem assim agisse. Eu estava no evento e não vi nenhum ato da polícia que justificasse a reação da cantora.

3) O artista tem o direito de expressar livremente a sua arte e as suas convicções sobre qualquer tema político, social, comportamental , etc., sem sofrer qualquer restrição ou ameaça. O artista tem o dever, inerente ao seu papel social, de denunciar a violência e o abuso quando os testemunha. Mas não pode se valer do seu prestígio e do carinho dos seus fãs para, sem qualquer justificativa, criar um clima de tensão e incitar o público contra a polícia, ofendendo e desacatando quem está ali com o dever legal de garantir a segurança pública, justificando-se com a afirmação de que aquilo "é rock´n roll".

4) Cumprir a lei pode ser chato e careta para alguns, mas ninguém está acima dela: nem o governador, nem o policial, nem o artista. Todos temos o dever de observá-la e o direito de buscar mudar aquelas que julgamos injustas.

5) Ninguém foi preso. O show foi concluído sem qualquer interferência. Prestar depoimento, com opção de poder fazê-lo 7 horas depois da ocorrência, não é prisão nem constrangimento ilegal. A artista foi conduzida à delegacia ao sair do evento porque preferiu assim e registrou no seu perfil no twitter. Foi ouvida com tranquilidade, sem mais incidentes e os seus argumentos registrados na forma legal.

6)Criticar a polícia pode ser mais fácil . Condenar aprioristicamente qualquer ação policial pode até dar ibope para alguns, mas eu não farei isso. Ninguém me contou, eu estava lá . Portanto, é meu dever solidarizar-me com os homens e as mulheres da Polícia Militar de Sergipe ofendidos de forma injusta e grosseira e elogiá-los pela forma como reagiram às provocações, evitando o conflito e preservando a integridade de todos.


Não sei genáriase foi Chico Buarque quem disse certa vez que nem toda loucura é sinônimo de genialidade e nem toda lucidez é sinal de velhice. Ouso dizer que viver o equilíbrio entre ambas - loucura e lucidez - produz grandes obras e eterniza grandes artistas. Continuarei a aplaudir e respeitar todos os que na vida e na arte constroem essa maravilhosa síntese.

Receba o forte abraço do seu amigo,

Marcelo Déda.”

Ora, Governador! Cadê a surpresa? O que exatamente o senhor esperava da “diva” (como disse o falante em demasia, Zeca Camargo) Rita Lee?

“Ritinha” como intitulou o polêmico Lobão, que sozinho já enfrentou as Polícias Militares de vários Estados brasileiros, sempre foi esquerdista, dita revolucionária, de ideologia “libertária” e, como todo habitante da capital de São Paulo já deve ter ouvido falar: provavelmente, maconheira.

Se o senhor, governador, não entendeu a manifestação da mais que sexagenária artista Rita Lee, eu explico: vosso partido, senhor governador, incutiu na cabeça do povo e, principalmente, daqueles mais alinhados com as idéias de esquerda, que a polícia é vilã, e o usuário de maconha é libertário.

USP: polícia vilã, maconheiro vítima;
Cracolândia: polícia vilã, ocupantes vítimas;
Pinheirinho: polícia “truculenta”, invasores vítimas...

E foi o SEU partido, senhor governador, que ensinou Rita Lee e o resto do povo como ela, que a polícia é truculenta de graça, e o resto é vítima. Mesmo que a polícia nem se mova! Só estarem ali, na cabeça dos “libertários”, é repressão à liberdade de expressão e artística.

SEU partido, governador, trocou o vermelho da estrela pelo vermelho dentro da alma, querendo sangue entre a população, de maneira que vosso governo negligencia a necessitada população brasileira, enquanto lava os cérebros dizendo que a culpa é “da elite”, enquanto fazem parte da elite, sim, econômica do País, seus colegas de partido.

Seus colegas de legenda, senhor governador, traçaram o plano perfeito. E se hoje o senhor está tendo problemas com a mídia, porque as polícias ganharam partidos, vá reclamar para seus dirigentes, senhor governador, porque a culpa é vossa.

Amargue, senhor governador, tendo que lidar com uma senhora que virou praticamente uma lenda no Brasil, mesmo tendo que livrá-la da pena cabível, porque se ela agiu como uma pessoa insana, a atitude não passa do fruto de vossa plantação!

Rita Lee no Pinheirinho alheio, senhor governador, é refresco! Se fosse em São Paulo, Gilberto Carvalho beijaria Rita, e pediria a prisão do governador! Agradeça, senhor Marcelo Déda, que a máfia está com o senhor!

Esperando mais prisões DEVIDAS,

Filhinha de Papai 

Nenhum comentário:

Postar um comentário